Para filosofar

"Não existe governo honesto com população corrupta." (Prof. Dr. Leandro Karnal)


domingo, 3 de julho de 2016

A primeira vez com a Filosofia da natureza

     Os alunos da 1a. série B da EE. Oscar Antônio da Costa, exercitaram, pela primeira vez, como aprender com os filósofos a perguntar sobre a origem da natureza.
Alunos 1B apresentando um período
da Filosofia. Maio 2016.

     Sendo a primeira vez que os alunos da 1a. B do ensino médio apresentaram um seminário, as habilidades desenvolvidas entre os estudantes partiu da pesquisa, da investigação sobre a época em que os filósofos viveram, porque buscaram saber certas coisas que chamamos de "problema" e como tentaram dar nome as essas, criaram conceitos, enfim, o que os filósofos fizeram para saber a origem do universo.




Alunas da 1B do ensino médio da
EE Oscar Antônio da Costa. Maio 2016.
 
     Apresentando desde os pré-socráticos até o período contemporâneo, os aprendizes do pensar, mesmo que tímidos, se permitiram falar dos mestres filosóficos, tentando entender qual a importância de se conhecer a natureza, tanto a cósmica quanto a humana, e, a partir daí, o que deu origem aos outros conhecimentos chamados de "científicos".









Alunos do 1B Ensino Médio preparando
para apresentar trabalho sobre Filosofia
Medieval. Maio 2016.


     Pensar filosoficamente nem sempre é compreensível para quem vive no mundo do senso comum e, está, geralmente, acostumado a ler apenas literatura narrativa.
     O texto dissertativo exige maior reflexão do objeto que foi observado, por isso, o método filosófico, dedução, parte do geral até chegar a conclusões no particular. Demonstra como o todo faz parte em cada um.




     Desde o início da Filosofia, a natureza foi objeto de investigação. Com o surgimento do Conhecimento científico o cosmos passou a ser, na prática, matéria palpável. Assim, aquilo que não é palpável passou a ser metafísico, sem, perder a observação da realidade humana, que a cada geração faz experiências incríveis, criando soluções inovadoras.

     Parabéns aos grupos dos alunos da 1a. série B pelo desenvolvimento das habilidades oralidade, leitura e escrita entre outras, envolvidas nas competências sobre contexto e conceitos das escolas filosóficas apresentadas.

quinta-feira, 30 de junho de 2016

Morte, dor ou sofrimento?

     A obra Sofrimento do mundo, escrita pelo filósofo Arthur Schopenhauer, no período moderno, bem como Da morte, trouxeram para os alunos da primeira série do ensino médio, tanto da EE. Oscar Antônio da Costa, como da EE. Orestes Ferreira de Toledo várias reflexões sobre a existência humana.

Alunos da 1A da EE Oscar A. da Costa
apresentando uma das obras de
Arthur Schopenhauer. Maio 2016.

Grupo de alunos da 1C da
EE Orestes F. de Toledo.  Maio 2016.


























     Após a leitura das obras de Schopenhauer, os grupos tiveram a preocupação de buscar o contexto histórico do filósofo, percebendo quais as influências de época ocorreram para entender porque o problema que estava sendo refletido foi tão importante.

     Todo animal passa pela dor, como a dor do parto, a dor da fome, mas diferentemente, o ser humano além da dor, é o único animal que ao invés de não se prender a ela, geralmente sofre, porque fica remoendo-a, às vezes, tornando-se vítima de seu próprio medo. Por isso, a frase "a dor é inevitável, mas o sofrimento é escolha."
     
Alunos da 1A, EE Oscar A. da Costa
 apresentando a obra Da morte,
de Schopenhauer. Maio 2016.

Alunos 1C, EE Orestes F. Toledo,
apresentando o livro Da morte,
de Schopenhauer. Maio 2016.












     Numa linha filosófica pessimista, Schopenhauer também reflete a morte humana distinta da morte dos outros animais não racionais. Busca demonstrar como a sobrevivência faz com que as espécies pressentem o momento do abate. No entanto, a consciência humana antecipa o medo da morte por ela ser a única certeza que temos durante a nossa existência.

     As reflexões metafísicas sobre dor, sofrimento e morte foram significativas para todos, pois, assim demonstrou que os temas estudados em Filosofia não são coisas do passado, mas, sim, parte da experiência humana cotidiana.

     Parabéns aos alunos que lerem que souberam fazer a classe pensar no sentido da vida.






O ciúme



Alunos do 1 A da EE. Oscar A. da Costa
 em seminário. Maio 2016.
     Como desabafo do ciúme do pai que estava prestes a casar novamente, Kafka escreveu Carta ao pai, tornando uma obra filosófica interessante.
    
     O grupo dos alunos da EE. Oscar Antônio da Costa, em São Francisco-SP, depois de entenderem que metafísica é o estudo do ser, os temas "ciúme" e "raiva" apareceram como um exercício de reflexão.


     Interessante perceber que a mesma classe, quando estava na situação de aprendizagem 4, na parte de estudar metafísica e relacionar com a causalidade (material, formal, eficiente e final) e as categorias, pediu para que fizesse sobre o "medo", além do "eu mesmo", "amor" e "estudo" que vem no Caderno do aluno, volume 1, da disciplina de Filosofia, por causa de um dos colegas que tem medo de galinha. O exercício foi feito e valeu como uma habilidade reflexiva.


     O mesmo aconteceu com a Carta ao pai, de Kafka, que como todo jovem, passa por crises existenciais e busca refúgio em seu diário.
    
     A carta, na verdade, não foi entregue para seu pai no dia do casamento, mas se tornou um tema de reflexão muito significativo para tratar de sentimentos que podem atrapalhar nossa vida.


     Parabéns ao grupo que aceitou o desafio e soube apresentar a obra filosófica.







domingo, 12 de junho de 2016

Banqueteando sobre o Amor

Alunas da 1a.C da EE. Orestes Ferreira de Toledo apresentando
o livro Metafísica do amor. Maio 2016.
     No mês de maio, segundo bimestre, os alunos das primeiras série da EE. Orestes Ferreira de Toledo e da EE. Oscar Antônio da Costa apresentaram um seminário sobre temas metafísicos.
    



Alunos 1C apresentando o livro O Banquete, de Platão.
Maio 2016.
    
     O objetivo do seminário foi aprofundar quais os temas da metafísica que foram abordados pelos filósofos clássicos e modernos que têm influência até hoje nas experiências humanas.

     Um dos temas foi sobre o amor, estudado na obra O Banquete, de Platão e Metafísica do Amor, escrito por Artur Schopenhauer.

     O sentimento do amor é, sem dúvida, manifesto em músicas, pela literatura, nas artes em geral, bem como presente na reflexão filosófica ao longo dos séculos.

     O amor, desde os tempos antigos, é confundido com paixão, devido a mitologia grega apresentar Eros, deus grego, nascido de um ovo de prata, fruto da união entre a Noite e o Vento, na narrativa de Homero, ou, ainda, manifestado na mitologia de Eros e Psiquê.

    Na reflexão feita sobre o amor, em O Banquete, os alunos tentaram transmitir a ideia de amor dita por Sócrates que passa a ser aquela do sublime, da contemplação, do intocável, favorecendo, assim, o "amor-ágape", o amor fraterno.
    
     Em A Metafísica do Amor, Schopenhauer relaciona o amor-paixão com a "química" necessária para haver a atração entre os sexos, até que o sentimento verdadeiro do amor desperte o compromisso de um com o outro.
Alunas da EE Oscar Antônio da Costa em seminário sobre
o amor em Schopenhauer. Maio 2016.
      O amor classificado em amor-amizade, amor-filial, amor-conjugal, amor-espiritual, enfim, é apresentado como tema da própria Filosofia, que significa "amor à sabedoria". Sua busca é um fenômeno que perpassa toda a humanidade, saindo de um "caos" afetivo para uma harmonia interior consigo e com o outro.
     Parabéns a todos os alunos que leram e apresentaram os trabalhos para reflexão.











domingo, 5 de junho de 2016

Combate à exploração sexual infantil

     Dia 18 de maio a E.E. Oscar Antônio da Costa, no município de São Francisco, interior do estado de São Paulo, fez uma passeata pelo Dia de combate à exploração sexual infantil.


Carro com o logotipo do combate à
violência sexual no carro do Conselho Tutelar
São Francisco, maio 2016


     No Brasil, a exploração infantil ainda é muito grande. O Ministério Público tem feito campanhas para garantir o direito da criança e do adolescente e de conscientização junto aos órgãos municipais.
Por isso, o CRAS - Centro de Assistência Social- do município, o Conselho tutelar em parceria com a escola estadual promoveram uma passeata para conscientizar toda a comunidade de São Francisco.




Acompanhamento da Polícia Militar
durante passeata do combate à violência sexual infantil. S. Francisco, maio 2016.





     As entidades envolvidas para a manifestação envolveu todas as famílias, direta ou indiretamente, quanto ao Combate à violência sexual de crianças e adolescentes, alertando-as para a necessidade de denunciar no número 100, caso haja alguma suspeita sobre o assunto. Assim, todos têm o compromisso de proteger as crianças e os adolescentes ainda em formação.


Alunos da EE. Oscar A. da Costa com
 cartazes durante passeata. Maio 2016.
   Conscientização e ação devem caminhar juntas. Além da violência há muitos casos de doenças sexualmente transmissíveis e gravidez precoce envolvidos nessa questão tão séria para nossa sociedade. Por isso, é necessário denunciar, além de conscientizar.








Cartaz de conscientização ao Combate à exploração sexual infantil. Maio 2016.


     Os professores acompanharam os alunos que tiveram a presença das Agentes de Saúde do município, além de funcionários do Centro de Assistência Social (CRAS), dos conselheiros tutelares, polícia militar, tendo os olhares dos comerciantes e dos fregueses, da avenida principal, atentos ao que estava se reivindicando. 
Alunos da EE. Antônio da Costa e carro do Conselho Tutelar de São Francisco em passeata. Maio 2016
     Não se cale, não faça "vista grossa" e nem de surdo. Se ver ou ouvir algo sobre exploração infantil denuncie para o número 100! Cidadania se faz com ação consciente.

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Democracia científica

     Em 2015, o Legislativo em parceria com o Ministério da Educação (MEC) e do Conselho nacional de secretários da Educação (Consed) e com o apoio das secretarias de Educação dos Estados e do Distrito Federal, abriu o oitavo concurso "Jovem senador" para todas as escolas públicas brasileiras, podendo participar todos os alunos do ensino médio com um texto dissertativo.
     O objetivo desse concurso do Senado Federal é aprimorar a sua representatividade, na construção da democracia. Por isso, as melhores redações dos jovens que ganham o concurso, passam a ser publicadas e os jovens, cada um de um estado da nação mais o Distrito Federal, são convidados a acompanharem o Senado, em Brasília.
     O tema do ano passado foi "Participação política: no parlamento, nas ruas e nas redes sociais". Os 27 alunos do concurso tiveram publicados suas redações num livreto e pode ser conferido no site do projeto - www.senado.gov.br/jovemsenador

     A redação selecionada em primeiro lugar foi a da aluna  Mariana Souto Pimenta, da EE Dulce Ferreira de Souza, do município de Passos-MG, intitulada "Democracia científica" descrita a seguir.

     "Aristóteles disse: 'a ciência mais imperativa e predominante sobre tudo é a ciência política'. Para um cidadão preocupado com o meio onde vive, ter participação em tal ciência é indispensável. Entretanto, para muitos ainda são obscuros os modos de fazer diferença na política.
     Para a maior parte da população brasileira, a participação política se resume ao voto. As condições atuais exigem que essa participação seja abrangente. É preciso acompanhar as ações dos representantes escolhidos, mas não somente em nível nacional. Os Conselhos Municipais são um exemplo de como as mudanças podem começar em um lugar mais próximo. Eles apresentam a possibilidade dos habitantes participarem mais efetivamente das discussões e decisões.
     Apesar das redes sociais serem grandes destaques ao se tratar de manifestações, na maioria das vezes, elas desmotivam ações no mundo real. O simples fato de 'curtir' ou 'compartilhar' uma foto gera uma falsa sensação de satisfação pessoal, como se o usuário já tivesse cumprido seu papel.
     Outras vezes, a insatisfação do povo acaba gerando protestos. Sair às ruas é direito de todos e consegue ser um modo eficiente para pressionar o governo a atender as necessidades sociais. Mas o que vemos é que a maioria não compreende os fenômenos políticos e econômicos que são a origem de tal insatisfação pública. Isso cria uma massa que insiste em lutar sem saber sequer os motivos ou as soluções.
     Portanto, fica evidente que existem vários modos de se fazer presente politicamente e somente aqueles que se interessam fazem bom uso desses meios. A situação atual do Brasil deve servir como incentivo para que as pessoas assumam um compromisso maior e tenham um amadurecimento político. Para isso, é necessário buscar informações em mídias alternativas, tendo visões de lados diferentes e sabendo interpretá-las."

      Parabéns, Mariana. Que outros jovens tenham sua redação como referência.

     Para este ano de 2016, o nono concurso do Senado Federal, terá como tema "Esporte, educação e inclusão". A inscrição das escolas  para entregar nas Diretorias de ensino vai até julho, depois para as Secretaria de Educação e de lá selecionará algumas para encaminhar ao Senado Federal. Quem interessar corra, dê uma olhada no site citado acima.

Cartaz do 9 Concurso do Jovem senador 2016.

Tributo a Monteiro Lobato

     A sala de leitura Lourdes Esquina e o Programa da Escola da Família da EE Oscar Antônio da Costa, em São Francisco-SP, no dia 30 de abril, comemorou o dia do livro (18 de abril) apresentando a biografia e personagens criados pelo nobre autor.
Equipe gestora e universitários do Programa
da Escola da Família da EE Oscar A. da Costa
em abertura do evento. Abril 2016
     Os alunos e os universitários envolvidos vestiram-se com trajes que representavam os personagens criados por Monteiro Lobato, do Sítio do Pica-pau amarelo, apresentando poemas, músicas, obras escritas pelo autor.

Aluno representando a Cuca e os personagens
do Sítio do Pica-pau amarelo. Abril 2016




Alunos cantando música "Emília". Abril 2016

     Após a participação da comunidade escolar participar do tributo ao escritor Monteiro Lobato, todos foram convidados a deliciar-se com algodão doce. Com clima de confraternização, os universitários deram continuidade aos projetos do programa da Escola da Família, marcando, assim, mais uma vez, a parceria com as professoras da sala de leitura e os pais presentes, que prestigiaram o evento.

Equipe do Programa da Escola da Família
EE Oscar Antônio da Costa. Abril 2016.

Translate